Gugu, a obra do Satanás



Ontem à noite eu tava de boa aqui, aproveitando o meu carnaval (pra trabalhar).

Até que, durante uma espiadinha no Facebook, me deparo com o seguinte post no grupo do ICLS no Facebook:
 

=====
Já vi alguns cursos do Gugu, mas depois de ver esses comentários no facebook dele, vou ter que sair do grupo.

Como disse Jesus “em verdade, em verdade, vos digo: quem não entra pela porta no redil das ovelhas, mas sobe por outro lugar, é ladrão e assaltante”.

Esses ensinamentos de pluralismo religioso dele são verdadeira obra do satanás. A essa sabedoria dos homens eu dispenso, prefiro a loucura de Jesus que é ainda mais sábia que a sabedoria dos homens.
=====
 

O meu melhor argumento contra esse Cavaleiro da Ordem Facebookiana do Toddynho Morno é a foto dele mesmo.

Quem quiser ver é só acessar o post aqui:

http://icls.com.br/satanas

O meu segundo melhor argumento é um depoimento escrito pelo meu amigo Wellington Kramer:
 

=====
Lembrei-me de um fato ocorrido comigo onde tive a imediata percepção da influência do Gugu na minha vida.

Tempos atrás, ao sair da empresa onde trabalho, esperava pelo ônibus e, como de costume, lia algo. Estava lendo tranqüilamente no meu smartphone com o que resta da minha visão, quando de repente escutei uma voz: “Ô dotô … tem um trocado aí?” Quando ergui a cabeça para ver quem era, me arrepiei! Era uma das pessoas mais estropiadas que já vira até então. Não tinha um dos braços, apenas o toco logo abaixo do ombro, e a pele em seu peito e ombros estava toda repuxada, herança de uma grave queimadura.

Embora aquela cena fosse deprimente, paradoxalmente senti uma enorme alegria, tinha dinheiro no bolso, coisa rara, pois acabara de sacá-lo do caixa eletrônico. Ele pediu então que o colocasse no bolso de sua bermuda e foi embora. E eu fiquei ali pensando, “e tem gente que reclama da vida!”

E o que tem o Gugu a ver com isso?

O “algo” que lia era a biografia de São Francisco de Assis escrita por São Boaventura, “Legenda Maior”, indicada pelo Gugu. A ligação da pessoa que me pedira esmola com a vida de São Francisco era óbvia. Na hora lembrei-me da passagem do beijo que ele deu no leproso. Já vinha há algum tempo rezando e jejuando e, ocasionalmente, dando esmolas, conforme a tríade ensinada pelo Gugu “oração, jejum e esmola”.

Muitos podem dizer que isso é ensinado pela Igreja, que o crédito dado ao Gugu é exagerado. Não há exagero não! Comigo a coisa foi assim: nunca fui ateu, mas também nunca tinha “experienciado” a ação Divina. Melhor dizendo, nunca tinha tido a consciência da ação Divina na minha vida. Aquelas histórias eram narrativas, nas quais eu acreditava, mas que haviam se passado há muito tempo atrás, numa terra muito distante.

A verdade é que só comecei a ter essa consciência por intermédio do Prof. Olavo e do Gugu. Os padres que vira até então nunca despertaram em mim tal consciência. Pareciam apenas contadores de estórias da carochinha. Sempre via gente “burra” falando de Deus e pessoas “inteligentes” negando Sua existência.

Tudo começou a fazer sentido assistindo as suas aulas. As explicações sobre as passagens das escrituras ou sobre a vida dos santos foram demolidoras.

Até a própria presença física do Gugu se transformava. Numa das aulas dadas em Joinville, na casa do Marcos Alcântara, tive a clara percepção disso. O Gugu estava falando, sentado numa poltrona, e apresentava aquele aspecto pacífico, recatado, falando com a voz baixa. De repente, aos meus olhos, ao enfatizar o que falava, transformou-se, ou transfigurou-se, apresentando uma figura altiva, de realeza. Foi muito impressionante. Foi esta a impressão que tive e que guardei-a para mim, até agora.

Vou escrevendo esta e lembrando-me de muitas outras. Enfim, o Gugu me ensinou muito e fez com que incorporasse muitas coisas que já sabia mas não praticava. Soube com ele que religião é uma prática, não um conhecimento. Somente praticando certas coisas é que vamos tomando consciência, ou sendo infundidos pelo Espírito Santo, e de fato aprendendo. E quando se aprende se faz.
=====
 

Contra fatos não há argumentos.

Sacou?

Amiguinho, o dia que você conseguir gerar esse efeito na vida das pessoas, a gente abre um grupo no Facebook só pra discutir os seus ensinamentos.

Fechado?

Enquanto isso, a gente fica com os ensinamentos do Gugu no ICLS.

http://www.icls.com.br/assinatura

Meydjer Windmüller

Como deixar os seus filhos numa situação melhor que a sua



E os nossos Fihos?

O que será deles?

A gente vive hoje num ambiente anti-religioso.

Anti-familiar.

Anti-humano.

E a gente tem que fazer um esforço monstruoso pra sair da lama moderna e adquirir alguma humanidade.
 

Todo mundo fala em deixar os filhos numa situação melhor que a nossa.

Mas, geralmente isso tem uma conotação financeira.

E isso é bem ridículo.

Desde quanto alguém precisa de dinheiro para ser mais humano?

As pessoas precisam de outros seres humanos para serem realmente humanas.

E é aí que está o segredo.
 

Para deixar os nossos filhos numa situação melhor que a nossa, a gente tem que criar um ambiente onde elas possam crescer com pessoas que querem as mesmas coisas que a gente.

A alma das crianças precisa de um ambiente saudável pra poder crescer bem.

Como uma planta.

E existe um jeito certo de criar esse ambiente ideal para que os nossos filhos possam se tornar pessoas melhores que a gente (e quem sabe até santos, heróis ou sábios).

Esse jeito não é nada teórico.

Ele é constituído de coisas bem práticas, claras e definidas.

E é isso que o Gugu ensina na Parte 2 da aula “O simbolismo do coração”.

Disponível pra assinantes do ICLS.

http://www.icls.com.br/assinatura

Meydjer Windmüller

Existe cristianismo após o casamento?



Nem todo mundo nasceu pra mosteiro, convento ou seminário.

Graças a Deus.

Alguém tem que fazer filho pra que monges, freiras e padres continuem existindo.

Mas, dá pra conciliar vida cristã e casamento?

Dá.

Com um negócio chamado “Casamento Cristão”.

Casamento cristão não é o mesmo que “casar na igreja”.

Isso os seus pais já fizeram e, se eles forem como os meus, nem casamento existe mais. E, enquanto existiu, não era lá muito cristão.
 

Vamos falar a verdade:

Hoje em dia não existe nem casamento pagão, quanto mais casamento cristão.

Não existe nem amor humano, quanto mais amor cristão.

Amor canino existe.

Esse sim.

Na verdade, ele é que motiva os casamentos hoje em dia.

Mas, não dá pra transformar casamento canino em casamento cristão.

Afinal de contas, não convém jogar aos cães o pão dos filhos.

Você precisa de um casamento humano pra ter um casamento cristão.
 

E como fazer isso?

Primeiro, assistindo ao final da Parte 1 e primeira metade da Parte 2 da aula O simbolismo o coração.

Nela o Gugu dá várias instruções práticas para trilhar esse caminho.

(Instruções essas que você nem imagina. Pode apostar.)

A aula completa já está disponível pra assinantes do ICLS.

http://www.icls.com.br/assinatura

Meydjer Windmüller

PARTE 2 (Nova aula): O simbolismo do coração



Pra fechar a semana:

A parte 2 da aula “O Simbolismo do coração” já tá disponível pra download no ICLS.

Nela, além do tema principal, o Gugu abre dois grandes parênteses a pedido dos alunos:
 

- O casamento cristão
- A real relevância de grupos de vigília e oração.
 

Dá uma olhada: http://icls.com.br/coracao2
 

No link acima tem um preview, e a aula completa já está disponível pros assinantes do ICLS.

http://www.icls.com.br/assinatura

Meydjer Windmüller

Nem tudo que reluz é ouro



No email de ontem eu acabei falando sobre o discernimento das situações.

Quando a gente tem uma intuição luminosa de que devemos fazer algo, ou ir em determinada direção, as coisas geralmente começam a dar certo. Porém, muitas vezes os problemas logo aparecem, e a gente começa a pensar que:
 

1) Está tudo dando errado, mas Deus quer que eu persista pois o resultado vai ser bom.

Ou…

2) Está tudo dando errado e Deus quer que eu desista pois, se eu persistir, o resultado vai ser ruim.
 

Como eu disse ontem, o Gugu ensina como discernir entre essas duas alternativas na nova aula do ICLS:

“O simbolismo do coração”

Porém, vale deixar uma nota:

**Nem tudo que reluz é ouro.**

A persistência (ou não) vai depender de ser realmente uma intuição luminosa.

E nem sempre o que a gente tem é uma intuição.

Na maioria das vezes, é só um pensamento.
 

E agora?

Como é que faz?

Como saber se a coisa é só um pensamento?

É simples: os pensamentos vêm da nossa cabeça, e as intuições do nosso coração.

Mas, pra não deixar a intuição se contaminar, a gente precisa aprender como é que se limpa o coração.

Sobre tudo isso e mais um pouco o Gugu falou na aula “O simbolismo do coração”.

Disponível para assinantes do ICLS.

http://www.icls.com.br/assinatura

Meydjer Windmüller

Como discernir se é pra perseverar num plano ou pra mudar de idéia



História real:

Um casal de amigos meus, Antônio e Cecília, conheceu uma família muito nobre.

A família Rodrigues.

[Eu mudei o nome dos envolvidos, mas, como eu disse, a história é real.]

Eu também conheço os Rodrigues, e posso dizer que são as pessoas com a fé mais inabalável desse mundo.

Essa família tem “pão”.

—> [aula "O que é o pão"]

E me desculpem os moderninhos e as feministas, mas o crédito desse pão era todo do Paulo (pai da família e fonte espiritual de todos que moravam ali).

Ao experimentar o pão que tinha naquela casa, o Antônio e a Cecília resolveram se converter.

Mas, os Rodrigues moravam longe pra caramba.

E foi só o casal voltar pra casa que eles sentiram o contraste entre o que eles experimentaram e a vida deles.

Aí, o Antônio teve uma luz:
 

— “A gente vai mudar pra perto do Paulo. Lá o pessoal tem religião de verdade, e o Paulo tem o “pão” que o Gugu fala. Eu vou lá e vou aprender a fazer esse negócio, custe o que custar. Não quero nem saber”.
 

A Cecília sempre confiou muito nas descisões do marido, e dessa vez não foi diferente.

E lá foram eles.

Todos os Rodrigues ficaram muito felizes com a notícia, e hospedaram o casal enquanto procurava uma casa ali por perto.

Tudo estava indo bem.

Passou uma semana, e eles encontraram algumas casas.

Mas, nenhuma deu certo.

Passou mais uma semana, e ainda não tinha dado nada certo.

Passou mais uma.

E mais uma.

E mais uma.

E nada.

O Antônio começou a se perguntar o que Deus queria com aquelas dificuldades. Afinal de contas, se Ele quisesse mesmo que eles se mudassem pra perto dos Rodrigues, Ele facilitaria as coisas.

Conclusão: “Talvez essa não seja a vontade de Deus. Pelo menos não agora. Vamos voltar pra casa e esperar as coisas melhorarem”.

E eles voltaram.

E o que aconteceu?

As coisas não melhoraram.

Só pioraram.

E muito.

Na verdade, a vida deles de repente virou um inferno.

De repente eles ficaram sem grana nem pra pagar as contas.
Todos os seus familiares começaram a atrapalhar a vida deles.
E até graves problemas de saúde eles tiveram.

Tudo isso aconteceu, e eles nem tinham “pão” pra sobreviver à turbulência.

Eles ficaram um ano inteiro nessa condição.

Sem paz na vida.

E sem religião de verdade.

Deus simplesmente virou a vida deles de cabeça pra baixo.

Deu tudo errado.

Tudo.

Por que?

Porque várias vezes na vida a gente tem uma idéia que parece boa.

Aí, aparecem as dificuldades.

E quando as dificuldades aparecem, a gente pensa em **duas** alternativas: “Será que Deus tá fazendo isso pra eu perseverar, ou será que Ele tá fazendo isso pra eu desistir da idéia porque ela não era realmente uma boa idéia?”

Hoje o Antônio já conseguiu consertar a situação, mas ele a mulher passaram um ano inteiro num inferno.

E isso por um único motivo:

Ele não sabia como discernir qual das duas alternativas era a verdadeira.

Mas, hoje ele sabe.

Eu conheço bem ele, e sei que o dia que na vida dele acontecer isso de novo, ele não vai se enganar.

Ele aprendeu a discernir as situações.

Como?

Ouvindo o Gugu.

E onde o Gugu ensina a fazer isso?

Na nova aula do ICLS: “O simbolismo do coração”

Disponível para assinantes do ICLS.

http://www.icls.com.br/assinatura

Meydjer Windmüller

NOVA AULA: O simbolismo do coração



“Porque é do coração que provêm os maus pensamentos, os homicídios, os adultérios, as impurezas, os furtos, os falsos testemunhos, as calúnias.”
 

Esse é um trecho de São Mateus (15:19).

Se você perceber, vai ver que o coração aqui tem uma conotação negativa.

O que é muito diferente daquilo que a gente encontra nas outras religiões.

No geral, o coração é retratado como algo puro.

Parece que o Cristo está contradizendo todo mundo, não é?

Mas, essas palavras se esclarecem por uma passagem anterior nas Escrituras.

Dá uma olhada: http://icls.com.br/coracao
 

O vídeo acima é um preview da nova aula:

“O simbolismo do coração”.

Nessa aula, o Gugu aborda exaustivamente o que é o “coração” na religião, e o que significa a “limpeza do coração”.

Disponível para assinantes do ICLS.

http://www.icls.com.br/assinatura

Meydjer Windmüller

Por que existe mal no mundo?



Conhece a história de Santo Antão?

Ele viveu 19 anos numa caverna, dormindo no chão, comendo só pão e água, lutando contra os demônios e, pra piorar, sem internet.

Até que, depois desses 19 anos, Deus abriu o teto da caverna e disse:

— “Antão, você é grande.”

Santo Antão, sem pestanejar, aproveitou e perguntou:

— “Ó, meu Deus. Tenho só uma pergunta: Por que é que os justos sofrem e os injustos prosperam?”

Ao que Ele respondeu:

— “Antão, Eu sou Deus. O destino dos justos e injustos é Meu trabalho. Você é só Antão, e cuidar da sua alma é o seu trabalho. Eu cuido do Meu, você cuida do seu.”
 

Como disse o Gugu:
 

=====
MORAL DA HISTÓRIA:

Você pode passar 19 evitando Deus com a desculpa de que você não entende o mal do mundo. Ele não vai responder pra você.

Ou você pode passar 19 anos tentando se aproximar de Deus pra ouvir essa mesma resposta da boca dEle. Pelo menos você vai conhecer Ele.

Você não vai saber do mal no mundo, mas você vai conhecer Ele.
=====
 

A pergunta sobre o mal não leva ninguém à santidade e à vida mística.

Só essas perguntas levam:

Por que há beleza no mundo?
Por que há bem no mundo?
Por que há verdade no mundo?

Para entender qualquer coisa, é preciso que essa coisa tenha uma ordem.

Mas o mal não tem ordem, só o bem tem.

O mal é caótico.

E o caos não pode ser entendido.

O que você deve fazer é se perguntar:

“De onde vem a beleza, a bondade e a verdade?”

Esse é o “segredo” que o Gugu ensina e explica na aula “A Tradição Mística no Catolicismo e no Protestantismo”.

É nessa aula que o Gugu explica porque as pessoas que focam na pergunta “por que existe mal no mundo” acabam indo pro inferno, mesmo sem desejar.

Pra acessar, é só assinar:

http://www.icls.com.br/assinatura

Meydjer Windmüller

ALERTA: Vírus removido do ICLS



A última vez que você entrou no ICLS apareceu uma mensagem escrito “The HoeflerText font wasn’t found”?

Se sim, não baixa o arquivo que aparece.

É vírus.

Algum babaca implantou no site.

Mas eu já removi.

Não tem mais perigo.

Eu não sei o que esse vírus causa. Mas, se vem dizendo que é uma coisa boa e não tem nenhum certificado segurança, então coisa boa é que não é.

Agora, repara só:

Isso é a mesma coisa com seitas e pseudo-religiões.

Elas se disfarçam de algo místico, evoluído, bom. Te prometem a tal da realização, te prometem uma vida melhor.

Mas, cadê o “certificado de segurança”?

Não tem.

É aí que o negócio fica perigoso.

Só quem é santo pode emitir esse “certificado de segurança”.

Mais ninguém.

Portanto, antes de “instalar” qualquer coisa na sua alma, procure por um certificado de segurança.

Se você se interessa pela verdadeira mística então baixa lá a aula “A Tradição Mística no Catolicismo e no Protestantismo”.

Ela está disponível para todos os assinantes do ICLS.

http://www.icls.com.br/assinatura

Meydjer Windmüller

O erro clássico dos católicos recém convertidos



Pequeno trecho da aula do Gugu:

 
=====
Católico pensa assim:

“O sacramento tem graça santificante. Então, quanto mais sacramentos eu tiver, mais santo eu vou ficar. Se eu vou na missa uma vez por semana, eu fico um pouco santo. Seu eu for 7 vezes, eu vou ficar santo 7 vezes mais rápido.”

É uma espécie de mistura subconsciente da fé na graça santificante com uma cosmovisão quantitativa materialista.

“Graça santificante é uma vitamina: quanto mais você toma, mais santo você fica.”
=====
 

A pessoa faz isso querendo ficar santa.

Passa um tempo, ela vê que não ficou mais santa coisa nenhuma.

Melhorou só um pouquinho.

Resultado?

Ela entra em crise.

Ela começa a duvidar da eficácia das coisas da religião.

E aí, começa a crise de fé.
E a religião dela vai pro brejo.

É um negócio perigoso.

O problema é que o erro não está na religião. Está na cabeça da pessoa, que tem um monte de concepções modernas enraizadas na cosmovisão dela.

Não é culpa dela.

Mas dá pra resolver.

O Gugu explica tudo na aula “A Tradição Mística no Catolicismo e no Protestantismo”.

Começa aos 43 minutos de aula.

Quem é assinante já tem acesso gratuito a essa aula lá no Painel de Aulas (Aulas Avulsas). E quem não é, assina aqui:
http://www.icls.com.br/assinatura

Meydjer Windmüller

Pessoas burras são incapazes de Vida Espiritual



— “Eu amo a Deus”
— “Eu tenho Jesus”
— “Eu sou apaixonado por São João da Cruz”

Como disse o Gugu, nada disso vai te ajudar. Você só está falando dos seus sentimentos, não de Deus e dos Santos (aula “A Tradição Mística no Catolicismo e no Protestantismo”).

Sentimentos são paixões que não ajudam em nada.

Só atrapalham.

Só existe uma coisa que realmente qualifica uma pessoa para a Vida Espiritual e Mística:

In-te-li-gên-cia.

A prova é que não existe nenhum caso de um sujeito burro que “chegou lá”.

Aí você pode argumentar: “Mas e o caso de São José de Cupertino”?

Ele não era burro.

Não no sentido real da palavra.

O Gugu explica direitinho todas as nuances do termo “burro” e o porquê que a burrice real desqualifica *completamente* a pessoa.

Tá lá na aula “A Tradição Mística no Catolicismo e no Protestantismo”.

Quem é assinante já tem acesso gratuito a essa aula. E quem não é, assina aqui:
http://www.icls.com.br/assinatura

Meydjer Windmüller

Briga entre alunos do ICLS



Eu tava aqui na diretoria, de boa, mandando advertência pros alunos rebeldes, até que me chega uma “reclamação formal” de outro aluno.

Só troquei o nome dos envolvidos.

Vai vendo:
 

=====
Quero aqui, formalmente, fazer uma reclamação de assinante do ICLS chamado Francisco Cervantes, fone (11) 96749-9999

Tentei contactar com ele no privado, ficou pior porque ele usou até isso para me atacar novamente com gracejos.

O dialogo anexo, nas últimas postagens falam por si. É uma pessoa totalmente sem preparo para lidar com o NOME e o trabalho voluntário dos grupos no whatsapp criados.

Se tenho, fiz algo errado, foi por pura inexperiência(para ele é que sou semi-analfabeto e que tenho de comprar livro de Português/gramática).

Fora varios xingamentos e humilhações públicas à minha pessoa, inclusive com gargalhadas virtuais. Revidei porque não sou covarde.

Cuidem, serio, do NOME de vocês: estão nas mãos de gente totalmente despreparada.
=====
 

Dada a formalidade da reclamação, segue o pronunciamento oficial:
 

— 1: Não adianta me enviar um histórico de WhatsApp com exatas 228 páginas de papel A4. Eu não vou ler.

— 2: Eu não tenho cara de diretora de escola. Não adianta reclamar do coleguinha. Eu não vou ligar pra mãe dele mandando advertência.

— 3: Se você só está ofendido, por favor, não disfarce a ofensa com preocupação pelo “nome do ICLS”.

— 4: O único grupo oficial do ICLS é o nosso grupo de Facebook (http://www.icls.com.br/facebook). A gente não cuida de nenhum outro grupo de WhatsApp, ICQ, mIRC, MSN Messenger, Orkut ou Disk Amizade.

— 5: Se um aluno for atacado por outro, que se defenda e acabe com o cara. Se apanhar, que fique mais forte e faça uma revanche. Life is hard.

— 6: Não leve a sua “vida virtual” a sério.

— 7: Se você se sente publicamente humilhado com gargalhadas virtuais, talvez você realmente tenha um problema.
 

Aqueles que não concordam com os itens acima, por favor, não percam o seu tempo assinando o ICLS.
O que mais tem é curso na internet feito pra você se sentir bem.

Já aqueles que estiverem de acordo, podem assinar aqui:
http://www.icls.com.br/assinatura

Meydjer Windmüller

3 meses para uma nova vida



Lembra do que o Gugu falou?

=====
Vida é uma série de movimentos com um único fim principal, e vivo é aquele que causa estes movimentos de dentro de si mesmo.
=====

Pois é.

O sentido “esotérico” disso é:

1) Qual o fim principal da sua vida (para que você realmente viva)?
2) Você já está indo na direção desse fim único principal (usando a sua vontade)?

Ele já resolveu esse problema pra todo mundo logo na primeira aula do curso “O Princípio da Felicidade” (curso de filosofia moral aqui do ICLS).

Mas, não adianta a gente só assistir a aula no piloto automático e ficar esperando que tudo aconteça pelo “poder da gratidão da energia cósmica universal”.

A gente tem que gravar lá no fundo.

Gravar muito fundo.
Gravar na pedra.
No nosso coração de pedra.

Precisa escrever isso num papel e ler todo dia.

Todo dia.

Se não, não funciona.

A gente tem que fazer o seguinte:

Tem que escrever isso em algum lugar e ler todos os dias, antes de dormir e assim que acordar.

Tem que ser a última coisa que a gente faz antes de dormir, e a primeira coisa quando abre os olhos.

Não deve durar mais que um instante.

E tem que fazer isso durante 3 meses.

Nem mais, nem menos.

Ou a gente faz agora, ou espera até a virada do ano pra ver que a gente passou mais um ano da nossa vida sem saber direito pra onde tá indo, igual um cara perdido no meio deserto, sem bússola e com o mapa errado.

Aí chega a virada do ano e a gente tá lá, com aquele sentimento de que ainda tá faltando alguma coisa, mas que em 2018 sim a gente vai tomar uma atitude e finalmente ter a vida que merece.

Igual todos os outros anos.

A pessoa que tomar a decisão e fizer esse exercício desse jeito vai ver daqui a 3 meses que finalmente uma porta se abriu.

Quem é assinante já tem acesso ao curso O Princípio da Felicidade.

Quem não é assina aqui:
http://www.icls.com.br/assinatura/

Meydjer Windmüller

Você ainda não é um ser vivo



Existe uma experiência muito preciosa na vida intelectual e espiritual.

Sabe quando você entende um negócio, entende de verdade, e você tem a sensação de que tudo à sua volta ficou mais claro?
Que a luz, a luz mesmo ficou mais clara, e que todos os objetos da sala ficaram mais iluminados?

Isso acontece com todas as aulas do Gugu.

Lembrei de uma vez agora:
 

O Gugu tava falando sobre a seriedade da vida espiritual, da vida intelectual e da religião.

E, de como isso tinha que partir da gente com sinceridade.

Até que ele falou o seguinte:

=====
VIDA é uma série de movimentos com um único FIM PRINCIPAL, e VIVO é aquele que causa estes movimentos DE DENTRO de si mesmo.
=====

Na mesma hora eu entendi um conceito de filosofia, um princípio de vida espiritual, e ganhei uma bússola pra guiar a minha vida pessoal.

Mas, não foi “só” isso.

Eu tive uma sensação.

Uma sensação muito preciosa.

Naquela hora, foi como se a luz da sala tivesse ficado mais branca.
Como se o alcance da minha visão tivesse aumentado.
Como se a minha percepção do agora tivesse se tornado o fio de uma espada.

Antes eu estava dormindo, e de repende eu acordei.

Acordei e percebi que até então eu não era um ser vivo.

Eu estava inconsciente.

Inconsciente até aquele momento.

E naquele momento o Gugu me tornou consciente acerca da minha real condição de ser humano vivo, de ser vivo.
 

E você?

Quando foi a última que você teve essa sensação?

Quando foi a última vez que você sentiu que a luz ficou mais clara?
Quando foi a última vez que você sentiu o alcance da sua visão aumentando?
Quando foi a última vez que você sentiu a sua percepção do agora se tornando o fio de uma espada?

Pra ter acesso às aulas do Gugu é só assinar o ICLS:
http://www.icls.com.br/assinatura/

Meydjer Windmüller

Filosofia de macaco excitado



Agradecimento que eu recebi agora mesmo pelo do email de ontem (aquele com o título “Toda mulher é interesseira. Sem exceção”):

 
=====
Não esperava receber uma filosofia de macaco excitado que não pode ver vagina de vcs. Obrigado.
=====
 

Resposta:
=====
Já esperava que algum eunuco ia acabar me agradecendo.
Obs.: Nós não temos vaginas.
=====
 

E logo ele rebateu:
=====
É por essas e outras que é um privilégio ser um eunuco.
=====
 

Dessa vez eu fiquei com dó.

Eu não vou nem entrar no reino da interpretação de texto (que foi o problema do nosso macho ômega ofendido)…

Ele pode fingir superioridade o quanto for, mas, o fato é que:

TODO MUNDO tem interesse.

(Até santo tem interesse, só que é o mais nobre.)

O que diferencia as pessoas é a qualidade do interesse.

(Nada de politicamente correto por aqui. Existe sim gente com interesse de melhor e de pior qualidade).

Eu sei que todo mundo aqui nasceu no Brasil (provavelmente de uma família caótica, com uma história confusa), e que todo mundo aqui foi ensinado a ter só as aspirações mais rasas.

Não é culpa nossa ter nascido no Brasil.

Mas, você pode voluntariamente se interessar por aspirações mais elevadas.

Você pode.

Não é verdade?

E a sua condição atual, qual é?

Analise com profundidade, com sinceridade.

E depois, se pergunte:

“Quais são as minhas aspirações mais elevadas?”

Pra virar assinante do ICLS é só clicar aqui:
http://www.icls.com.br/assinatura/

Meydjer Windmüller

Toda mulher é interesseira. Sem exceção.



Essa é pra quem ainda tá na pista pra negócio:

Pode perder as esperanças de que você um dia vai conseguir alguma mulher que não seja interesseira, cara. Deixa de ser mané.

A verdade é simples: Toda mulher é interesseira.

Todas.

Sem exceção.

Acreditar nisso é pedir pra passar o resto da vida na “friend zone”.

É viver na ilusão.

Então, de uma vez por todas, para de se iludir.

Para.

A única coisa que diferencia uma mulher da outra é o tipo de interesse.

Algumas mulheres têm interesses baixos. Outras, têm interesses nobres.

Algumas têm interesses em dinheiro e em fama. Outras, têm interesse em virtudes e em Deus.

E mulher não é besta igual rapaz “in love”.
Elas não se enganam.
Elas SABEM quando o cara tem algo pra oferecer.

Tipo sexto sentido mesmo.

Se você só tem um empreguinho estável e aspiração por salários mais altos e férias, você vai atrair as mulheres que só estão interessadas num carnê das Casas Bahia e em férias na Europa.

Se você tem aspiração por nobreza, virtude e santidade, você vai atrair mulheres que querem as melhores coisas dessa vida.

E não adianta ficar de mimimi, seu banana.

Nenhuma mulher de qualidade vai querer seguir o seu caminho se as suas aspirações são bovinas ou servis.

Ou você faz alguma coisa, ou ALGUÉM vai fazer no seu lugar.

E acredite: ALGUÉM VAI.

Entendeu?

Simples assim.

Aliás, isso vale pra mulheres também, porque esse papo de que os opostos se atraem é mentira de comédia romântica.

Só os semelhantes se atraem.

E as suas aspirações? Quais são?

Onde você está investindo a SUA vida?

O que você está fazendo nessa direção?

O que você tem a oferecer?

Se você tem aspirações mais elevadas, então assine o ICLS, antes que ALGUÉM assine (hehehe):
http://www.icls.com.br/assinatura/

Meydjer Windmüller

O começo do caminho pra ter visões e contemplações ainda nessa vida



Um cara chegou pra um famoso mestre de kung-fu, pediu pra aprender a lutar e foi aceito.

Ali mesmo começou o treinamento.

Quando o mestre começou a ensinar a dar o soco mais básico, o cara ficou meio decepcionado, parou e disse:

— Mestre, me ensina alguma coisa avançada.

O mestre deu um soco perto de uma vela que foi tão rápido que a vela apagou com a força do vento.

— Tipo isso?

— É! Tipo isso!

— OK, mas primeiro você precisa aprender a dar um soco.

Primeiro o fundamento.

Sempre.

Visões, contemplações, êxtases…

Quem é que não quer, né?

Você lê lá os relatos nas biografias dos santos e fica pensando: “Cara, isso deve ser legal pra caramba”.

E deve mesmo.

Mas antes, você precisa de muito pão.

Como o Gugu explica na aula “O que é o pão”: O pão é o que nos alimenta espiritualmente e nos deixa fortes para viver (lembra do email de ontem?).

O pão espiritual não tem muito sabor, mas alimenta.

Já o vinho é o contrário.

É cheio de sabor.

Um golinho de vinho já é uma delícia.

Mas, o que acontece se você bebe vinho de estômago vazio?

Você fica doidão.
Passa mal.
Vomita até as tripas.

Percebe?

Você primeiro tem que tar com a pança cheia.

Tem que comer muito pão antes.

Você conhece alguém que até ontem mesmo nem acreditava em Deus, caiu de cabeça nos assuntos místicos e ficou maluco?

Pois é…

Não é opcional:
Você PRECISA aprender a fazer pão.

E é isso que o Gugu mostra na aula “O que é o pão”.

E, é muito simples.

E, é só querer.

Quando você vai começar a fazer pão espiritual?

Pra baixar a aula “O que é o pão” é só assinar aqui:
http://www.icls.com.br/assinatura/

Meydjer Windmüller

Impotência espiritual – Principais causas e tratamento



Uma coisa é a sua inteligência.

Outra coisa a sua vontade.

Talvez você já tenha passado por essa experiência:

Você começa a praticar uma virtude, um bom hábito e tal.

Tá tudo indo bem.

Até que passa uns dias e acontece alguma coisa que faz você ceder.

E você não cede tanto pela vontade de fazer a coisa errada. Você cede mais porque não tem força para manter aquela virtude, aquele bom hábito, numa situação que é mais forte que ela.

É tipo uma impotência mesmo.

Impotência espiritual.

O Gugu mostra como fazer pra se fortalecer espiritualmente na segunta parte da aula “O que é o pão” (a aula do Gugu que fez mais sucesso até hoje).

Não é exatamente a coisa mais fácil do mundo.

Mas, é a mais simples.

Eu lembro de quando eu comecei a por em prática esse ensinamento dele.

Passou um tempo e a situação se apresentou pra mim de novo.

Só que dessa vez eu tava bem alimentado.

Eu tava mais forte.

E eu ME SENTIA mais forte.

(A sensação é física mesmo, e depois que o seu corpo pega o gosto, ela vicia. É sério.)

Cara, se você estivesse lá…
Se você pudesse sentir o que eu senti…

É muito, MUITO bom.

De repente, eu não era mais escravo. Não era mais passivo. Não era mais a platéia.

Eu era Senhor da situação.

Eu era alguém.

E eu não era só um ser.

Eu era um ser vivo.

Quando foi a última vez que você se sentiu assim?

Quando foi a última vez que você se sentiu Senhor dessa situação?

Pra baixar essa aula, é só assinar aqui:
http://www.icls.com.br/assinatura/

Meydjer Windmüller

O professor universitário mais burro que já apareceu por aqui



Há 2 meses atrás eu recebi a seguinte declaração de amor:

 
=====
Tá exagerado estes e-mails. Não sei se é sol ou lua em leão sua mas vários amigos que fazem icls estão de saco cheio destes e-mails seus. Temos interesse nos ensinamentos do Gugu, mas o marketing cheio de indiretas seu dá no saco e cria repulsa. Não está na hora de rever esta estratégia? Não está exagerando mandando até três e-mails por dia? Falando numa boa está bem sem noção e vc está abusando do espaço que deveria conter divulgação através de partes de aulas ou trechos de ho. Abraços e fica na paz.

P.s. Estou admoestando na boa, se vc apelar não me responda vai se fuder, porque nego soberbo tem que ir pra puta que pariu!
=====
 

O cara é doidão, né?

Até daria pra ignorar.

SE o cara não assinasse como Prof. “Fulano”.

Sim.

Professor universitário. (!)

E o pior, ele foi me “dedurar” pro Tales (que é o chefe do ICLS).

Dedurar!

Igual as crianças que deduram o coleguinha pra professorinha!

Era tudo o que eu precisava pra poder responder:

 
=====
Se você parar de dar chilique igual uma mulher histérica você vai ver que no final de todos os emails existe um link escrito “Cancelar inscrição”.

O link funciona. Testa aí.

Aproveita e encaminha esse email pra esses teus amigos.

Boa viagem.
=====
 

Sabe o que é isso?

Pura burrice.

Eu até expliquei lá no grupo do ICLS no Facebook:

“Tempo gasto lendo todos os emails, ficando brabinho, remoendo a raivinha e escrevendo pro Tales pra reclamar de mim: 1 ou 2 horas. Tempo que levaria para clicar em “Cancelar inscrição”: 1 ou 2 segundos.”

O sofrimento dele era real.

Claro.

Dá pra perceber pelo tom do discurso.

MAS, o sofrimento real estava sendo causado por um problema inexistente.

Deu pra perceber?

Ninguém é obrigado a receber esses emails. E leva só 2 segundos pra clicar no link de Cancelar Inscrição no final de cada email.

Ou seja: O problema não era real.

Só existia na cabeça dele.

Todo mundo que é aluno do Gugu fica com a inteligência mais afiada e jamais seria obtuso a esse ponto. O que só prova que ele não é aluno do Gugu porcaria nenhuma.

É só um parasita.

E parasita é assim:

Vai passando o tempo…
E eles não assistem as aulas…
E eles ficam só dando “like” no Facebook…
E eles continuam sem entender as coisas…
E eles vão ficando cada vez mais parasitas…

Até o ponto que a inteligência simplesmente atrofia de vez.

E o parasita não tem mais cura.

E ele VIRA um burro.

Enfim…

Esse foi só um anti-exemplo.

E às vezes um anti-exemplo funciona melhor que um bom exemplo.

Pra assinar o ICLS, é só clicar aqui:
http://www.icls.com.br/assinatura/

Meydjer Windmüller

Santo Antão esnobando os outros (+ BÔNUS MONÁSTICO)



Hoje é dia de Santo Antão.

E hoje eu recebi um email (mais pra baixo eu mostro, tem uma surpresa) que me fez lembrar da seguinte história dele:

Teve uma vez que um discípulo de Santo Antão chegou correndo, todo alvoroçado, pra avisar que o imperador de Roma queria falar com ele.

Só que ele tava bem no meio da oração.

Aí, Santo Antão virou pra ele e falou:

“E eu tava aqui falando com o próprio Deus. Grandes coisa.”

[Esnobada a nível imperial]

Tô citando de cabeça.

Mas foi mais ou menos assim.

Lembro que quando eu li isso pela primeira vez eu pensei: “Caramba! Eu queria falar com Deus assim e ter ESSE senso das proporções.”

E foi o email que eu recebi hoje do Irmão Guilherme que me fez lembrar disso (Ele é monge no mosteiro trapista de Campo do Tenente. Eu já me hospedei lá e qualquer dia eu conto como foi)…

Aí vai:

=====
[…] Hoje, 17 de janeiro, celebramos a memória de Santo Antão do Egito (ou do Deserto), também chamado “pai dos monges”.

Como o Prof. Luiz Gonzaga não se cansa de dizer, o conhecimento e a imitação da vida dos Santos é o mais excelente caminho para a santidade.

Neste sentido, a “Vida de Santo Antão”, escrita pelo grande bispo de Alexandria Santo Atanásio (que foi seu discípulo e filho espiritual), é um “prato cheio”. [...]

Desta biografia vem o texto que envio em anexo, que narra a conversão de Santo Antão. Este é um dos textos lidos nos mosteiros na festa litúrgica deste dia. [...]

Fraternalmente,
Ir. Guilherme
=====

Eu pedi pra ele pra compartilhar o texto contigo e ele respondeu:

— “Sim, para mim seria uma alegria poder ajudar. […] A fonte da leitura é o Lecionário Monástico para o ofício de Vigílias.”

Então, aí vai o link pro bônus monástico: http://icls.com.br/antao

Gostou?

Tá afim de conhecer a vida de Santo Antão?

Quer entender como foi possível ele ter feito o que ele fez?

Show.

O Gugu já falou (e muito) sobre ele no curso Os Santos que Abalaram o Mundo.

A primeira aula já é sobre Santo Antão.

Esse curso é MUITO BOM.

Tipo…

MUITO, MUITO BOM.

Ele foi mencionado um monte de vezes nos depoimentos que os alunos do ICLS enviaram.

(Aliás, eu ainda não consegui publicar todos os depoimentos, mas já tem alguma coisa lá na página de assinatura).

Então, se você quer seguir o conselho de conhecer e imitar a vida dos santos pra ter um caminho real de santidade, é bom começar por Santo Antão (e eu digo: ele é um chute na costela de qualquer um que “tem Deus no coração”).

Pra ter acesso a esse curso (e a todos os outros) é só assinar o ICLS aqui:
http://www.icls.com.br/assinatura/

Meydjer Windmüller

É só seguir a doutrina. Não tem erro.



Eu estava me dedicando a esse negócio de religião há uns 3 anos.

Claro que eu não achava que eu já estava certo (isso iria contra a virtude da humildade), mas eu tinha certeza de que pelo menos eu já estava no CAMINHO certo.

“É só seguir a doutrina aqui. Não tem erro.”

Comparando com as pessoas que eu conhecia, eu era o que mais me dedicava. O que mais pensava no assunto.

Parecia até que eu era o único que me importava.

De verdade!

Então, era só continuar assim até o fim da vida. Provavelmente ia dar certo.

Tava tudo no esquema.

Eu ia morrer e ia ser aprovado.

Até que eu conheci uns amigos olavetes em Joinville que me mostraram as aulas do Gugu.

Foi aí que a minha zona de conforto foi pro inferno (antes ela do que eu).

Então, você não pode negar que é importante ter amigos assim.

E onde eles se encontram?

No grupo do ICLS no Facebook (http://icls.com.br/facebook/)

E como eles saíram da zona de conforto?

Assinando o ICLS:
http://www.icls.com.br/assinatura/

Meydjer Windmüller

Um dos melhores depoimentos até agora



Esse foi um dos melhores depoimentos que chegaram aqui até agora.

Por que?

Porque ele fala muito pouco.

É curto, mas ao mesmo tempo desenha o contorno de algo muito, muito grande.

Como?

Apenas sendo sincero.

Acho que foi o que eu mais me identifiquei.

Vou colar aqui o que o Diego Luis escreveu:

 
=====
Me emociona ter que comentar o que significa o Gugu para mim.

Não há palavras para descrever o que ele significa em minha vida.

Alguma bênção muito especial me trouxe até ele, e como o autor disse sobre São Francisco no livro “Os santos que abalaram o mundo”, Deus ali escreveu uma poesia.

Assim, poderia escrever horas a fio, mas só posso dizer que o pouco de sentido que minha existência ainda comporta, devo à fé que ele fez brotar dentro de mim.

Não dá pra falar do Gugu, somente contemplar a visão de algo belo e profundo.
=====
 

Quanto mais você relê, mais coisa percebe.

Eu realmente gostaria de poder preencher esse contorno que o Diego desenhou, mas não consigo.

É como tentar descrever a cor vermelha para um cego de nascença.

Só quem é aluno do Gugu sabe do que é que ele tá falando.

E você?

Você também pode mandar um depoimento: é só responder esse email com um parágrafo sincero.

Só isso.

Só isso já vai ajudar muito.

Pra ver todos os depoimentos enviados até agora ou para assinar o ICLS é só acessar:
http://www.icls.com.br/assinatura/

Meydjer Windmüller

EU SOU CATÓLICO APOSTÓLICO ROMANO



Quantas vezes você já viu alguém estufando o peito para dizer “EU SOU CATÓLICO APOSTÓLICO ROMANO”?

Um monte, né?

Isso é um problema grave.

Muito grave.

O depoimento do Mateus Ecker chegou na hora certa pra explicar isso aí.

Vou mostrar alguns trechos:

 
=====
[…] Eu havia assistindo um ou dois vídeos do Prof. Olavo na internet e eu já me considerava um senhor iluminado pela sabedoria que eu não tinha. […]

Mas não era apenas na área de estudos que eu me considerava o máximo, mas também na religião:
Eu enchia a boca para falar em um tom solene: EU SOU CATÓLICO, Católico, Católico, Católico, sou um Católico Tradicional, Conservador, sou defensor da Ortodoxia da Fé. Quando alguém perguntava qual era a minha religião, eu estufava o peito e proclamava com ares de superioridade: EU SOU CATÓLICO APOSTÓLICO ROMANO, assim mesmo; com todas as palavras e letras.

Foi então que conheci o trabalho do Prof. Gugu, e a primeira aula que eu assisti foi aquela sobre O que é o Pão. Em poucos minutos de aula o Prof. Gugu destruiu toda essa falsa mascara que eu usava por vaidade.

Apenas uma simples palestra/aula foi capaz de mudar drasticamente a minha fé (se é que eu tinha uma).
=====
 

E mais um tampão cai dos olhos…

Tá cheio de gente estufando o peito desse jeito, achando que está deixando Deus todo orgulhosão.

“Esse é dos meus!”

E os haters só alimentam esse tipo de babaquice.

O que os haters fazem com esse “escudo da fé” é só manter os outros na ilusão de que é só seguir o manual que está todo mundo garantido.

Garantido só por seguir um manual?

Really?

[Vergonha alheia…]

São cegos guiando cegos.

Mas, ainda dá pra fazer muita gente enxergar.

Como?

Enviando um depoimento.

Como eu venho lembrando essa semana: “Pelos frutos os conhecereis”.

E esses depoimentos vão mostrar esses frutos pra aqueles que precisam ver.

Por isso, separe 3 minutos hoje para gravar um vídeo curtinho como depoimento.

Se não tiver como gravar, é só responder esse email com um rápido depoimento por escrito.

Vou insistir: Não precisa ser grande nem bonito. Só precisa ser sincero.

2 linhas tá mais do que bom.

É um jeito nobre de demonstrar a sua gratidão.

Pra ver todo o depoimento do Mateus ou para assinar o ICLS é só acessar:
http://www.icls.com.br/assinatura/

Meydjer Windmüller

Esse depoimento serve de alerta



O Eric Cari Primon fez um depoimento que serve de alerta para todo mundo.

Se você assistir às perigosíssimas aulas do Gugu aqui no ICLS… Tenha MUITO CUIDADO!

Você pode começar a dar esmola.

Assim ele começa:

 
=====
Graças a Deus e às aulas dele, comecei a DAR ESMOLA.
E pior: comecei a dar esmola sem NEM MESMO ficar pensando em quê a pessoa usaria o dinheiro dela – vejam vocês!
Entendi que o mendigo é um igual, com vontade própria; e que seria muita presunção – no mínimo isso – achar que eu sei o que é melhor pra ele do que ele mesmo (aquela coisa de “não dou dinheiro, dou comida”).
=====
 

O que?

O mendigo é um igual?

Que história é essa?

Até parece que existe essa história de “Dai a quem te pede”!

Alguém precisa alertar os alunos.

Daqui a pouco vai ter gente estragando a saúde jejuando.

Jejuando?

É isso que o Eric anda fazendo?

Alguém precisa fazer uma #correçãofraterna no nosso amigo…:

 
=====
E também graças a Deus e às aulas dele, comecei a JEJUAR – na verdade, digo “comecei” como quem diz que fez algo que NUNCA tinha feito antes.
E acho que entendi um pouco do bem que o jejum faz e por que é tão necessário.
=====
 

O cara tá perdido mesmo.

Só falta ele começar a falar em santos.

Oops…:

 
=====
Também as aulas do curso “Os Santos que Abalaram o Mundo” são fantásticas – e graças a elas comecei a me interessar pelas vidas dos santos. Pra pessoa que não sabe muito bem o que fazer da vida, e como fazer para se realizar e para alcançar a tal da “felicidade”… talvez um bom começo seja conhecer as vidas das melhores pessoas, daquelas pessoas mais realizadas; daquelas pessoas mais felizes, mesmo que também tivessem as vidas mais cheias de dificuldades (está aí São Francisco que não me deixa mentir).

Sem falar nas aulas do curso de astrologia, na aula sobre o trabalho e a vocação e tantos outros vídeos menores, espalhados no Youtube… vale a pena cada minuto investido!
=====
 

Pois então…

Quero ver quantas pessoas os nossos haters conseguiram “desviar” dessa maneira.

Pra acabar com essa palhaçada, vamos continuar mandando depoimentos. Eles vão depois pra uma página no ICLS, pois contra fatos não há argumentos.

Esses depoimentos vão mostrar pra todo mundo que é que realmente tá fazendo algo pela alma das pessoas.

“Pelos frutos os conhecereis”.

Separe 3 minutos hoje para gravar um vídeo curtinho como depoimento.

Se não tiver como gravar, é só responder esse email com um breve depoimento por escrito.

Como eu disse antes: Não precisa ser grande nem bonito.

Só precisa ser sincero.

2 linhas já bastam.

E, se você ainda não é assinante do ICLS, é melhor não assinar, sob risco de virar um cara estranho igual o Eric.

Mas, se você for que nem eu não tá nem aí, assina aqui:
http://www.icls.com.br/assinatura/

Meydjer Windmüller

Antes e depois do Gugu



Talvez você tenha visto na semana passada que rolou no Facebook uns posts do Sr. Mateus Bagos por um Triz.

É um tipo novo de crente: o intelectual de fralda e suspensório.

Mal entra na puberdade e já emite bulas e mais bulas de #correçãofraterna, alertando os seus fraters sobre os perigos gnósticos das aulas do Gugu.

Sinceramente?

Dá muita preguiça comentar textão de um sábio de 14 anos.

Sabe, eu tenho Júpiter em Áries.

Meu método de argumentação é do tipo desproporção de força.

Por isso, antes que vire moda ler São Thomas More fumando Cigarrinhos de Chocolate ao Leite Pan e tomando uma bela xícara de Toddynho morno, eu achei melhor fazer uma coletânea de depoimentos dos alunos do ICLS.

O que eu sei de gente que começou a rezar por causa das aulas do Gugu não é brincadeira.

Repito: não é brincadeira.

Tá cheio de depoimento perdido entre emails e posts de Facebook, mas agora quero fazer a coisa organizada.

E eu vou divulgar tudo.

Então, se você tem algum nível de gratidão pelo que você aprendeu com o Gugu, escreva para meydjer@icls.com.br dando o seu depoimento.

Se alguém puder gravar um vídeo curtinho com o depoimento, melhor ainda.

Isso vai vacinar um monte de gente.

“Pelos frutos os conhecereis.”

E, pra não correr o risco de não enxergar a trave no seu próprio olho, tome tento e vire assinante do ICLS:
http://www.icls.com.br/assinatura/

Meydjer Windmüller

De GLS a guguzete



Em 2011, eu estava fazendo as aulas do COF (Curso Online de Filosofia).

Até que na aula 106 o professor Olavo de Carvalho lê um email muito maluco do Marcos Alcântara.

Nele, o Marcos dizia que tinha um grupo que se reunia em Joinville a cada 15 dias para contar a história de clássicos da literatura em língua portuguesa e fumar os piores mata-ratos disponíveis no mercado.

Parecia divertido.

Eu não conhecia nenhum outro olavete em Joinville, então mandei um email pro Marcos pedindo pra participar do tal grupo.

O grupo se chamava GLS.

Grupo de Literatura de Sexta-feira (!).

Depois de um tempo, fui iniciado numa camada ainda mais interna da seita: o GLSdoB.

Foi no GLSdoB que o Juliano Alcântara (irmão mais aquariano do Marcos) me mostrou as aulas do Gugu.

Foi por causa dele que eu me tornei guguzete.

Eu já tinha ouvido falar o Gugu, o famoso Luiz Gonzaga de Carvalho Neto, filho do Olavo de Carvalho, mas nunca tinha me interessado por suas aulas.

Até que me abriram essa porta.

E eu viciei.

E assisti todas as aulas do Gugu.

E acabei conhecendo o Gugu.

E o Tales.

E acabei criando o site do ICLS, junto com o Marcos.

E comecei a escrever esses emails que você está recebendo agora.

Tudo isso.

Tudo porque o Juliano me mostoru as aulas do Gugu.

Eu não tinha o poder de me auto-apresentar as aulas do Gugu. Alguém teve que abrir essa porta pra mim.

E você? Conhece alguém que pode gostar das aulas do Gugu e do ICLS?

Então aproveita a promoção de Natal.

Até a meia-noite de hoje, se você presentear alguém com a assinatura do ICLS, vai ter R$100 de desconto no presente.

Pra não perder a promoção é só clicar aqui:

http://www.icls.com.br/natal/

Meydjer Windmüller

Você gostaria que fizessem por você



Você também foi beneficiado pelo conteúdo do ICLS?

As aulas do Gugu também mudaram a sua vida?

Você conhece alguém que, se assistisse às mesmas aulas, teria a chance de mudar de vida também?

Então olha só…

Como no Natal é bom costume presentear os outros, eu resolvi fazer uma coisa diferente:

Nas próximas 24h, se você presentear alguém com a assinatura do ICLS, você ganhará R$100 de desconto na compra.

Não vale se auto-presentear.

Não vale.

A minha intenção é que você ajude o seu próximo.

Após a compra, eu vou te escrever pessoalmente pra pedir os detalhes da pessoa que você presenteou.

Mas, são só 24h.

Então, se você sabe de alguém que precisa mesmo dessas aulas, acesse:
http://www.icls.com.br/natal/

Meydjer Windmüller

Coma alcoólico de Natal



Daqui a pouco você provavelmente vai estar com a parentada pra comemorar o Natal.

Fica a dica:

Não entre em coma alcoólico de Natal.

Evite ficar de ressaca amanhã.

Você vai precisar estar bem disposto para aproveitar o que eu tenho pra te passar.

Há uns 3 anos atrás, pouco antes do Natal, eu estava conversando com o Gugu no Skype e ele me passou o seguinte macete:

“Aproveita o Natal pra rezar e fazer um pedido sincero pra Deus. Ele fica de bom humor nesse dia.”

Mas, se o que você vai pedir é qualquer coisa desse mundo e não do outro, é por que você ainda não assistiu a aula “O que é o pão”.

Se for assim, talvez seja melhor voltar pra casa mais cedo (idealmente antes da bebedeira) e assistir essa aula.

É a sua chance de ter um feliz Natal.

Pra assistir essa aula, é só virar assinante aqui:
http://www.icls.com.br/assinatura/

Meydjer Windmüller

Eu mudei



Enfim, fugi do Brasil.

Por isso que eu passei tanto tempo sem escrever: mudar de país com toda a família dá um trabalho miserável.

Mas vale a pena.

Eu estava querendo fazer isso há anos, até que Deus deu a oportunidade e eu aproveitei.

E sabe o que acontece quando você muda pra outro país?

Você tem que mudar.

E o motivo é bem simples:

Você não fez as leis, você não criou os costumes do lugar. Então, você é quem tem que se adaptar ao novo país. O país não vai mudar pra se adaptar a você.

Isso é a mesma coisa com religião.

Parafraseando o Gugu na parte 2 da aula “O que é o pão” (7min56s):

“A religião é de Deus. Ela é como uma casa que pertence a Ele. Você pode entrar nela ou sair dela, mas você não pode mudar ela de lugar”.

O que acontece se alguém chegar na sua casa e começar a querer mudar tudo?

Eu sei o que acontece na minha: Eu dou um chute no sujeito e boto ele pra fora da minha casa.

Então, o que você acha que vai acontecer com a gente se a gente quiser praticar a religião do nosso jeito?

Chegando na casa de Deus como se fosse a nossa casa…

Pensa bem: se você fosse Deus, o que você faria?

Seja sincero, e não politicamente correto.

Pensou?

Complicado, né?

Já que é assim, é evidente que você precisa conhecer a casa que você entrou.

Mas, brasileiro leva tudo “na boa”.

O fundador da religião chega e fala: “Eu sou o pão vivo que desceu do céu.”

E ninguém se interessa em saber o que é o pão.

Todo mundo estuda pra ter um diplominha e ser bem sucedidinho, mas ninguém leva a sério essa parada de religião.

Afinal, essa vida aqui não acaba mesmo, né?

Quando ele virar e falar “Apartai-vos de mim. Não vos conheço” vai ficar um pouco complicado.

Mas, se alguém se interessar pela aula “O que é o pão”, faz o seguinte:

Quem já é assinante do ICLS, vai lá no Painel de Aulas, seleciona Aulas Avulsas e procura por “O que é o pão”.

E quem ainda não é assinante, é só assinar aqui:
http://www.icls.com.br/assinatura/

Meydjer Windmüller

Minha segunda experiência com a morte



Essa é a parte II da série Minhas Experiências com a Morte.

(Eu sou um cara muito morrido, sabe?)

Espero que seja a última parte.

E espero que a parte final demore muito pra acontecer. Se acontecer hoje eu tô ferrado.

===> Obs.: Se você não leu o meu primeiro relato, procura no ICLS ou na sua Caixa de Entrada por “Minha primeira experiência com a morte”.

Continuando…

Essa história começou quando o professor Olavo de Carvalho indicou o livro O Inferno, do Monsenhor de Ségur (http://icls.com.br/inferno).

Qual a moral do livro?

Ele tem um monte de depoimentos de pessoas que tiveram visões de parentes e amigos que estavam no Inferno. Eles apareciam e diziam que estavam lá, que era horrível, e que era real.

Bom…

Acontece que esse livro tem uma maldição (na verdade, eu acho que é uma bênção).

Se você ler esse livro e perceber a real gravidade do assunto, você corre o sério risco de ter a mesma experiência que eu tive e que eu relatei no post “Minha primeira experiência com a morte”.

Assim que eu terminei de ler o livro, eu fui dormir.

E aconteceu tudo de novo…

==============================
Eu acordei, no meio do meu sono.

Mas o meu corpo não acordou.

Eu não estava no meu corpo, eu estava num lugar escuro e infinito.

Eu tentei me mexer, mas o meu corpo não respondia.

Bateu o desespero.

Eu tentei gritar, mas minha voz não saia.

Tinha só o silêncio, a escuridão e os meus pensamentos.

Tinha só o nada.

E eu.

Meu desespero foi aumentando, aumentando, até que “do nada” eu acordei.

Meio em choque.

Não sei ao certo quanto tempo eu fiquei desse jeito, mas tive a impressão de que foram só alguns segundos.
==============================

Minha esposa ficou muito impressionada com o meu relato e pegou o livro emprestado pra ler.

E adivinha o que aconteceu?

Pois é…

Ela também passou pela mesma experiência…

Pra terminar:

Se você já leu, ou se você pretende ler, ou ainda, se você já tem medo o suficiente do Inferno, mas ainda não sabe como se faz pra escapar dele, eu recomendo que você assista as aulas que o Gugu deu na última vez que ele veio pro Brasil: A Oração, O Homem e O Que é o Pão.

Principalmente a aula O Que é o Pão.

Pra quem já é assinante do ICLS: é só ir lá no Painel de Aulas, selecionar Aulas Avulsas e procurar por essas aulas.

Se você ainda não é assinante, aí vai o link:
http://www.icls.com.br/assinatura/

Meydjer Windmüller