Antes e depois do Gugu



Talvez você tenha visto na semana passada que rolou no Facebook uns posts do Sr. Mateus Bagos por um Triz.

É um tipo novo de crente: o intelectual de fralda e suspensório.

Mal entra na puberdade e já emite bulas e mais bulas de #correçãofraterna, alertando os seus fraters sobre os perigos gnósticos das aulas do Gugu.

Sinceramente?

Dá muita preguiça comentar textão de um sábio de 14 anos.

Sabe, eu tenho Júpiter em Áries.

Meu método de argumentação é do tipo desproporção de força.

Por isso, antes que vire moda ler São Thomas More fumando Cigarrinhos de Chocolate ao Leite Pan e tomando uma bela xícara de Toddynho morno, eu achei melhor fazer uma coletânea de depoimentos dos alunos do ICLS.

O que eu sei de gente que começou a rezar por causa das aulas do Gugu não é brincadeira.

Repito: não é brincadeira.

Tá cheio de depoimento perdido entre emails e posts de Facebook, mas agora quero fazer a coisa organizada.

E eu vou divulgar tudo.

Então, se você tem algum nível de gratidão pelo que você aprendeu com o Gugu, escreva para meydjer@icls.com.br dando o seu depoimento.

Se alguém puder gravar um vídeo curtinho com o depoimento, melhor ainda.

Isso vai vacinar um monte de gente.

“Pelos frutos os conhecereis.”

E, pra não correr o risco de não enxergar a trave no seu próprio olho, tome tento e vire assinante do ICLS:
http://www.icls.com.br/assinatura/

Meydjer Windmüller