Este curso ainda está em andamento.

Sobre o curso

A literatura antiga compreende, principalmente, aqueles textos, datados da Antiguidade ou da Idade Média, que se tornaram clássicos na cultura ocidental. Um texto tornar-se clássico quer dizer, essencialmente, que foi reconhecido como uma das chaves-mestras de toda a cultura em torno; quer dizer que sem esse texto não se pode ingressar plenamente na vida simbólica (e, consequentemente, na vida intelectual ou espiritual) da comunidade em questão. Sem ele, o indivíduo seria em alguma medida um pária, um iletrado, alguém que não entende o que se passa.

Textos como os de S. Jerônimo, Virgílio, Horácio, Sto. Agostinho, Ovídio, Cícero e Boécio adquiriram, em diferentes graus, o estatuto de “fundamentos” da cultura ocidental. Por meio deles, nossos antepassados foram educados por quase dois mil anos. Por isso, tornaram-se sinônimos de letramento e de educação. Formaram a moldura dentro da qual surgiria todo o resto: Shakespeare, Descartes, Racine, Milton, Hume, Goethe, Hegel e T.S. Eliot são apenas alguns exemplos de autores que foram intensamente formados nesse universo; quase sempre pelos mesmos autores e de maneira muito semelhante.

A destruição progressiva da cultura no Ocidente, e sua substituição pelo ensino “técnico” pseudocientífico, criou uma grande dificuldade na medida em que, removendo os princípios da formação comum, tornou nossos grandes escritores e filósofos cada vez menos compreensíveis e forçou a criação de comentários explicativos infinitos que, anteriormente, teriam sido considerados explicitações desnecessárias de coisas amplamente conhecidas. É preciso, portanto, recuperar as referências fundamentais do mundo da cultura para torná-la novamente compreensível. O único modo de fazê-lo parece ser pela base da educação ocidental, isto é, pela literatura antiga.

Esse não é realmente um “curso” pois não há nenhum programa ou seqüência a ser seguido, portanto seria mais correto dizer que se trata de um conjunto de palestras que giram em torno de um tema comum (Literatura Antiga), embora, ocasionalmente, uma palestra possa complementar outra.